Acerca de

Businessmen

Agindo em decisões difíceis

  • É muito difícil para você tomar decisões?

  • Pergunta-se repetidamente se está tomando a melhor decisão ou duvida das próprias escolhas?

  • Fica nervoso(a)/ansioso(a) frente a uma decisão difícil?

Normal! Tomar decisões faz parte da vida e consiste em um processo cognitivo que envolve fatores racionais e emocionais. Para algumas pessoas, em geral mais confiantes e determinadas, tomar uma decisão é algo simples e calcado no combo dos "prós e contras". Já para outras, porém, o processo de tomada de decisão causa ansiedade, angústia e sofrimento. 

 

Normalmente quando se está tendo dificuldades em tomar uma decisão é porque existe algum conflito, o confronto entre o racional e o emocional, pode ser que racionalmente você pense que algo é mais prático ou melhor, mas seu coração deseja algo diferente. Fazendo isso você está escolhendo algo em detrimento de outra coisa, por isso é tão complicado! A pergunta a ser feita aqui é “O que você espera que aconteça?” ou “O que você quer conquistar?"

Todas as decisões, sendo elas difíceis ou não, podem ser realizadas de forma mais assertiva, rápida e objetiva através de alguns pequenos passos que podem ser dados no seu dia-a-dia aos poucos, sem pressa! São eles:

  • Conheça-se melhor: tire alguns momentos do dia para fazer uma auto avaliação e entender o que está acontecendo com você naquele momento e o que ocorre no seu corpo. A partir do reconhecimento de sentimentos e sensações, você pode desenvolver estratégias para diminuir a ansiedade, por exemplo, respirando um pouco mais profundamente e relaxando os ombros. Isso pode fazer com que os pensamentos fiquem mais lentos e ''clarear" as ideias para tomar uma decisão;

 

  • Entenda que ninguém faz escolhas certas todas as vezes: o erro é parte da rota da vida de qualquer ser humano. Por incrível que pareça, as decisões erradas são úteis para que escolhas mais felizes sejam feitas no futuro;

 

  • Não fique refém de dúvidas: dependendo da decisão que deve ser tomada, procure pessoas mais experientes, faça uma pesquisa em livros ou na internet (claro, com fontes confiáveis) e considere todas as alternativas;

 

  • Reflita escrevendo: pensar e escrever sobre os prós e contras de cada possibilidade é uma maneira de organizar os pensamentos, que muitas vezes se atropelam e dificultam a visualização das consequências. No papel, você terá mais clareza do que quer e do que não quer;

 

  • Encare tudo como aprendizado: lembre-se sempre que a maioria das decisões pessoais e profissionais tem pouca ou nenhuma consequência negativa a longo prazo. Os aprendizados só acontecem quando erramos. Em alguns casos, aliás, nem se trata de optar pelo certo ou errado, mas por caminhos diferentes. O importante é tentar não repetir aquilo que causou sofrimento em você ou terceiros;

 

  • Revisite sempre suas decisões: é uma tática boa para saber se algo mudou do momento em que determinada decisão foi tomada ou se poderia fazer diferente. Revisitar nossa história nos faz aprender. Muitas vezes realizamos escolhas de acordo com o momento de vida que estamos atravessando e, assim, nem sempre tal escolha será vista como adequada mais tarde, apenas que, no momento da decisão, ela se mostrou a mais correta;

 

  • Estabeleça prazos: conhece o ditado "antes feito que perfeito"? Soluções 100% perfeitas são muito demoradas, raras e geralmente desnecessárias. Dê o melhor de si e decida o suficiente para cada situação. Na maior parte das vezes, não é necessária uma decisão que atenda a todos os requisitos que você julga cruciais;

 

  • Tenha em mente que não dá para agradar todo mundo: conscientize-se que suas decisões poderão frustrar a expectativa de alguém;

 

  • Analise os sentimentos na hora da escolha: você está agindo por medo, culpa, raiva, vingança ou frustração? Se emoções negativas estiverem envolvendo seu poder de decisão, o melhor a fazer é dar tempo ao tempo e se acalmar antes de escolher;

 

  • Faça terapia: ferramentas como treino de habilidades e técnicas de resolução de problemas, frequentemente usadas pela TCC (terapia cognitivo-comportamental), podem ajudar a tomar decisões de modo mais coerente e objetivo. Por trás de cada decisão, as pessoas são movidas por fatores psicológicos ocultos que moldam a maneira como pensam e agem – e um bom psicoterapeuta pode ajudar a identificar e compreender quais são, melhorando o modelo de tomada de decisões.

 

Como você pode ter percebido, o processo para tomar boas decisões é longo e demanda tempo, mas tranquilize-se! Nenhuma decisão na vida precisa ser tomada de forma permanente, você tem o poder de mudá-la!

Gostou da dica? Nos siga nas redes sociais pra sempre se manter atualizado. 

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Instagram